Ir para o conteúdo
Noticia Arquivada

Exportação de frutas

Volta-se para o porto do Mucuripe a proa do agronegócio cearense da fruticultura. No próximo dia 24, a Câmara Setorial da Fruticultura vai reunir-se na sala da presidência da Companhia Docas do Ceará. Do encontro participarão, além da diretoria da CDC, a liderança das empresas operadoras e dos sindicatos de portuários e estivadores. Os fruticultores perguntarão se será possível reduzir os custos atuais de operação do Mucuripe, considerados muito altos em relação aos do Pecém. Eles levarão uma pauta de assuntos para o encontro, entre os quais “alguns gargalos” do porto de Fortaleza. Um desses gargalos, além dos elevados custos da operação de carga e descarga, é a limitação de horário. “É inacreditável, mas no Porto do Mucuripe todo mundo pára de trabalhar às 22 horas, só retornando às 6 horas do dia seguinte. No caso das frutas, isso é um risco de prejuízo”, contou a esta coluna um expoente da fruticultura cearense. A operação portuária moderna é ininterrupta nos maiores e mais modernos terminais do mundo. Em alguns portos brasileiros, infelizmente, ela, além de muito cara, é feita no ritmo de repartição pública. Exemplo do alto custo: em Pecém, que opera livre das interferência das corporações sindicais, o reposicionamento de um conteiner para a inspeção sanitária do Ministério da Agricultura custa R 50. No porto do Mucuripe, a mesma operação custa R 250. Por que?

No Mucuripe

Toda a exportação de frutas da Agrícola Famosa – que tem fazendas de produção em Icapuí e é uma das maiores produtoras e exportadores brasileiras de melão – será feita, a partir de agora, pelo porto do Mucuripe. A empresa francesa de navegação CMA-CGM, que na assinatura do contrato prometera escalar Pecém, desistiu de fazê-lo, optando pelo porto de Fortaleza. A direção da Agrícola Famosa trata agora com a Companhia Docas do Ceará de viabilizar seus embarques pelo Mucuripe, cujos custos de operação terão de ser reduzidos. Produzir no Brasil é difícil. E exportar, também!!

Fonte: (Diário do Nordeste – Coluna: Egídio Serpa)